quarta-feira, 5 de abril de 2017

HÁ ALGO DE PODRE NO REINO DAS ÁGUAS DE ACAUÃ!

De acordo com o portal de notícias G1 “As cidades de Ingá, Itatuba e Juarez Távorano Agreste paraibano, podem ficar sem água encanada daqui a 30 dias, se a região não receber chuvas. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (30), pela Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), que é responsável pela gestão do abastecimento das cidades. O motivo para o colapso no abastecimento é o baixo volume do açude Argemiro de Figueiredo, conhecido como barragem de Acauã, em Itatuba”.
Ruínas do cemitério de Pedro Velho - Fonte: Google


Conforme dados fornecidos pela AESA (Agência Executiva de Gestão da Águas da Paraíba), nesta quinta-feira (30), a barragem de Acauã está com apenas 5,6% do volume total. O açude tem capacidade para armazenar até 253 milhões de m³ de água, mas está com pouco mais de 14 milhões de m³. (Portal de Noticias G1).
Como se o problema de falta d’água por si só não bastasse, a cada dia descobrimos algo de podre que se esconde no “REINO DAS ÁGUAS DE ACAUÔ.
Algum tempo atrás, recebemos horrorizados por meio da impressa, a notícia de que Acauã, guardava em suas águas, catacumbas de uma comunidade inteira emergidas em suas águas... águas essas que utilizamos já,  durante muito tempo sem ao menos termos a noção de que era contaminada por restos mortais de um cemitério inteiro de Pedro Velho, comunidade pertencente a cidade de Aroeiras,PB.
CEMITÉRIO DE PEDRO VELHO, QUE EMERGIU DAS ÁGUAS DE ACAUÃ EM 2015. FONTE: G1

De acordo com Ethan Barbosa, professor de Ecologia e Recursos Naturais da Universidade Estadual da Paraíba, “Acauã é um sistema síntese da bacia do Paraíba, porque está no final de toda a cascata de braços e RECEBE TODOS OS ESGOTOS QUE ESCOAM DAS CIDADES LOCALIZADAS NO MÉDIO CURSO DO RIO PARAÍBA, A EXEMPLO DE CAMPINA GRANDE. ISSO PROVOCA A EUTROFIZAÇÃO, CAUSADA PELO ACUMULO DE NUTRIENTES E MATÉRIA ORGÂNICA, QUE ALIMENTA MICRO-ORGANISMOS, COMO AS CIANOBACTÉRIAS. ”
Para quem não sabe as cianobactérias podem causar doenças graves e até a morte. Nesse sentido, podemos citar os casos das mortes de hemodiálise no Estado do Pernambuco em Caruaru.
Além do cemitério de Pedro Velho, dos esgotos despejados nas águas que se acumulam em Acauã. Ainda podemos citar como contribuinte para o aumento da poluição da barragem, as fazendas de criação de peixes.
TANQUES REDES DE CRIAÇÃO DE TILÁPIAS EM ACAUÃ- FONTE: pb.gov.br

Mais um cemitério emerge de Acauã
Situado na área rural do município de ITATUBA-PB, o sitio Cajá é uma das localidades que mais vem sofrendo com os efeitos da seca naquela região. Além da falta d’água, dos problemas com a agricultura e das dificuldades que o homem do campo encontra em lidar com problemas antigos e outros problemas que aparecem constantemente, ainda surgem outras dificuldades que vão além das forças daqueles que são obrigados a lidar com situações que tornam cotidiano ainda mais duro.


O sitio Cajá, de acordo com informações do IBGE, possui 56 endereços, subdivididos em: 42 domicílios particulares, 01 estabelecimento agropecuário; 01 estabelecimento de ensino, estabelecimentos de outras finalidades (comercial, religiosos, outros) 12. Estima-se que a quantidade de pessoas habitando nesse logradouro seja de 138 moradores.
Em meados de 2002, devido ao avanço das águas que iriam comportam a barragem de Acauã, as famílias que moravam na antiga vila do Cajá, são indenizadas e transferidas para outra localidade onde não pudessem ser alcançadas pela barragem Argemiro de Figueiredo.
Tudo parece ter sido planejado, no entanto, os responsáveis pela obra de Acauã esqueceram de que que no Sitio Cajá, assim como em Pedro Velho, as pessoas habitualmente, sepultavam os seus mortos.








Fotos do antigo Cajá, que foi submerso em Acauã - Fonte: Mateus Barbosa vicente

Com o avanço das águas, as pessoas não tiveram tempo de exumar seus familiares, desde modo, deixando-os para traz esquecidos até a pouco tempo, cobertos pelo lençol de águas de Acauã.
De acordo com um dos nossos ex-alunos da escola Major, o adolescente Mateus Barbosa Vicente, que atualmente mora no Sitio Cajá, as catacumbas e as ruínas do antigo povoado, começaram a surgir quando a lamina d’água de Acauã começou a baixar.
                                           Mateus Barbosa Vicente
Além de todos os problemas de higiene e riscos a saúde que a água que consumimos de Acauã oferece, o problema vem se potencializando nos últimos meses com a ameaça real de excisasses e colapso total do abastecimento. 
A realidade é se não chover o mais rápido possível, OS CADÁVERES IMERSOS EM ACAUÃ SERÃO  O NOSSO MENOR PROBLEMA!


16 comentários:

  1. Falta é conscientização , dos usuários tbm, pois é só chegar agua que muitos ligam suas torneiras pra lavar carros e calçadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Sônia, além dos problemas originários da água, ainda se tem os problemas de falta de educação da população.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Verdade Alexandre,no entanto, as comunidades de Pedro Velho (Aroeiras) e Caja (Itatuba) foram devidamente concientizadas na época da construção da barragem 1999, que os respectivos cemitérios ficariam submersos quando a barragem atingisse o nível máximo. A população simplesmente ignorou. O açude so atingiu tal nível em 2004. Cinco anos não foi tempo suficiente pra exumar esses corpos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Irailton Gomes, considero a sua preocupação em explicar sobre o fato que a população tanto de Pedro Velho , como do Cajá estavam conscientes das atuais consequências que a enchente da barragem iria causar! Nós ingaenses, e, acredito que outros municípios, só viemos saber que consumíamos águas contaminadas com restos mortais, no momento em que o G1, diga-se de fato, escandalizado, noticiou a presença de um cemitério que emergia das águas da barragem.
      Sobre a população consumidora das águas de Acauã estar consciente, eu, no mês de novembro de 2016, procurei a GERENCIA REGIONAL DE GUARABIRA, para falar sobre este e outros problemas que desqualificam a água para o consumo. Fomos recebidos por uma moça, e ele nós informou que os corpos não foram retirados para um novo cemitério porque não houve tempo. Então caro Irailton Gomes, deve estar havendo um desencontro de informações!
      Uma questão ética: de quem era a responsabilidade de retirar os corpos? Abraços! e é um prazer enorme tê-lo como nosso leitor

      Excluir
    2. https://www.youtube.com/watch?v=fevOOCMxIHY Gostaria que vcs assistesem esse documentário feito pelo Misnisterio Publico Federal sobre esse assunto

      Excluir
  4. Meus amigos, um pequeno resumo, o estado faz a barragem, quase deixa milhares de ribeirinhos desabrigados,quem foi idenizado na época quase não consegue fazer suas novas moradias por conta dos baixos valores das indemnizações.
    E quanto a os cadáveres que ficaram em baixo d'água faltou orientação, acompanhamento e apoio por conta do estado,e quem tinha seus parentes sepultados lá, muitos não tinham condições financeiras para fazer a remoção já que o estado não se preocupou com isso.
    Então digamos que todos os ribeirinhos foram vitimas do estado.

    ResponderExcluir
  5. E quanto a população, o número de residência e de famílias existentes são bem maiores, esses dados do IBGE acredito que estão um pouco ultrapassados.Não sei a totalidade,mais acredito ser um pouco maior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estão erradíssimos, só em Itatuba, nas duas comunidades de cajá e Melancia, são mais de duzentas e cinquenta famílias

      Excluir
  6. Publicado em 29 de set de 2015
    Documentário sobre os impactos sociais, econômicos, históricos, culturais e jurídicos decorrentes da construção da barragem de Acauã, na Paraíba.

    Idealização: José Godoy Bezerra de Souza
    Produção e Realização: Assessoria de Comunicação do MPF/PB
    Direção e Fotografia: Nayane Maia e Tiago França
    Câmera: Nayane Maia e Tiago França
    Apoio Técnico: Osvaldo Bernardo da Silva e Kassio Chaves
    Pesquisa e Consulta: Osvaldo Bernardo da Silva e Yure Figueredo
    Edição: Nayane Maia
    Revisão e Supervisão: Íris Porto, Tiago França e Gefferson Borges
    Agradecimentos: Fernando Garcia de Oliveira
    Trilha Sonora: Bartolomeu Firmino de Normando (in memorian) https://www.youtube.com/watch?v=fevOOCMxIHY

    ResponderExcluir
  7. http://www.ecsb.com.br/sites/default/files/artigos/st3artigos/7.%20Hugo,%20Fernando%20e%20co-autores.pdf

    ResponderExcluir
  8. http://www.mabnacional.org.br/noticia/barragem-acau-inaugurado-cemit-rio-para-comunidade-pedro-velho-pb-0

    ResponderExcluir
  9. Barragem de Acauã: inaugurado cemitério para comunidade de Pedro Velho (PB) https://mpf.jusbrasil.com.br/noticias/437952044/barragem-de-acaua-inaugurado-cemiterio-para-comunidade-de-pedro-velho-pb

    ResponderExcluir