quarta-feira, 12 de abril de 2017

BONY COSTA! A TRAJETÓRIA DO MAIS JOVEM EMPRESÁRIO DO INGÁ, QUE USOU TESOURAS PARA SE TORNAR SUCESSO!

Hoje O Blog O Ingaense traz para vocês leitores, uma entrevista na integra com o barbeiro que virou febre aqui no Ingá e região. Trata-se do ainda menino, mas dono de um talento incrível e de um carisma dantesco, Bony Costa.


Nessa entrevista, Boninho relata sua trajetória de vida, nos mostra valores por muitos esquecidos nessa sociedade, e apesar da pouca idade, nos ensina que nem sempre o caminho mais fácil é o melhor de ser trilhado.
Eu pessoalmente conheço uma pequena parte dessa história, pois além de ter sido professor de Boninho, fomos vizinhos, e hoje, assim Como Izaak Costa, o considero como parte da família.
SELF EM SALA DE AULA, 2014.

Boninho tem uma incrível história de superação, luta e força de vontade. Poderia, assim, como tantos outros jovens de nossa sociedade, ser apenas mais um a viver drogado ou se prostituindo por algumas moedas. Mas não ele preferiu lutar e venceu!
 Aos 18 anos se tornou o mais jovem e bem-sucedido empresário do ramo do comércio do Ingá, sem ter que bajular ou pedir favores a ninguém.


Boninho, nós do Blog o Ingaense temos o maior orgulho de te colocar como exemplo de superação e de sucesso para toda essa juventude da qual você faz parte. 
Parabéns menino homem!
Leia abaixo, na integra a entrevista do Blog O Ingaense com Bony Costa.
Bony Costa: Meu nome é José Bonifácio Costa Filho, tenho 19 anos, nasci no dia 24 de outubro de 1997, na cidade de Campina Grande. Sou natural de Juazeirinho, PB.
Morei com os meus pais até eles se separarem, e daí acabei indo morar com o meu pai na cidade de São Bento, PB. Passei boa parte da minha vida lá...
 O Ingaense: Quantos anos você tinha quando foi morar na Cidade de São Bento, PB?
Bony Costa: Eu tinha 05 anos.
O Ingaense: Seu pai trabalhava em que na cidade de São Bento, PB?
Bony Costa: Meu pai era dono de uma casa de jogo, onde tinha, tinha sinucas, mesas de baralho, era também Bar. E daí acabou que aconteceu alguns problemas lá e a gente precisou voltar para a cidade de Juazeirinho, PB.
            Quando eu voltei para Juazeirinho, PB, voltei a morar com a minha mãe. Antes eu tinha passado 05 anos morando em São Bento, PB com o meu pai.
            Quando eu voltei para Juazeirinho, PB eu fui trabalhar em uma papelaria, eu já tinha 10 anos.
O Ingaense: Sua mãe já trabalhava com cabelo, já era cabeleireira?
Bony Costa: Não, era vendedora. Minha mãe, assim como eu já fez profissionalmente um pouco de tudo...e nunca se imaginou se encontrar na profissão que se encontra hoje.
O Ingaense: O que você fazia nessa papelaria?
Bony Costa: Eu comecei ajudando. Eu tinha... Eu ajudava a encadernar... coisas desse tipo. Só que quando passou um ano, eu já saí do setor de vendas e fui pro caixa. Quando eu fiz 13 anos eu tomava conta sozinho da papelaria e já fazia o pagamento dos funcionários.
 O Ingaense: Já fazia um serviço administrativo na papelaria?
Bony Costa: Isso! Só que o acumulo de trabalho começou a me afetar nos estudos.  Aí eu pedi pra sair porque eu queria estudar. Então eu saí e fui trabalhar fazendo bico. Eu fui trabalhar como garçom, de início ajudando o pessoal e trabalhei também como som de festa, e ainda por cima eu entregava de vez em quando os botijões de gás da vizinhança.
Eu trabalhei também na feira. Às vezes me chamavam para vender na feira e eu ia vender...
Mas eu tinha que manter os estudos, já que isso era apenas um dia na semana.
Eu passei 02 anos trabalhando com o som. Garçom eu acho que passei uns 03 a 04 anos trabalhando como garçom. Com o tempo eu acabei tomando conta de todos os garçons. Por exemplo: Você ia fazer uma festa, daí me procurava para contratar todos os garçons e orientava a equipe. Nessa época eu tinha 15 anos.
O Ingaense: Qual motivo fez com que você e sua família viessem para a cidade do Ingá?
Bony Costa: Quando eu cheguei no Ingá em 2014, eu tinha 15 anos. A minha mãe já era cabelereira, e nós viemos acompanhando o meu padrasto, que havia recebido uma proposta de emprego na empresa Queiroz Galvão, do Consocio Acauã. Até então não conhecíamos ninguém aqui no Ingá.... Eu não sabia nem o que era Ingá. Eu pensava que Ingá era uma planta.
A Gente chegou aqui em 2014 e eu pensei: “ Como é que vou trabalhar se não conheço ninguém! ” Daí peguei meu currículo, botei debaixo do braço e fui atrás de Simone Bolos. Meu primeiro emprego aqui no Ingá foi como garçom servindo no salão dela.  Passei 03 meses trabalhando com ela. Daí, nesse mesmo período, eu recebi uma proposta melhor de emprego em Juazeirinho, PB.... Aqui no Ingá eu já havia me ambientado: eu já estudava, tinha amigos, e até na igreja eu já tocava. Só que eu tive que voltar para Juazeirinho. Lá eu tinha uma namorada e eu queria também conquistar minha independência.
Quando voltei para Juazeirinho, fui morar sozinho, eu estudava de manhã e trabalhava a tarde e à noite. Nesse trabalho, eu acabei passando 06 meses, e vi que estava afetando os meus estudos. Depois de 06 meses trabalhando nessa churrascaria, eu resolvi pedir demissão e voltar para o Ingá. Quando eu voltei para o Ingá, também voltei a trabalhar no Salão de Simone.
            Nesse mesmo momento eu recebi uma proposta de “emprego” que eu nunca imaginei na minha vida, que foi fotografar como modelo para uma marca aqui no Ingá. A pessoa me chamou, daí u pensei que era para ser vendedor, quando na verdade era pra ser modelo da loja. Daí eu comecei a fazer fotos para a loja Bruel Brand.

BONY COSTA MODELANDO PARA MARCA BRUEL BRAND 
            No dia 15 de janeiro de 2015, por causa de um atrito familiar, eu resolvi sair de casa novamente, desta vez eu fui morar no Estado de Pernambuco, na cidade de Santa Cruz do Capibaribe, para trabalhar em um lugar totalmente, até aquele momento improvável, porque eu não havia recebido nenhuma informação que antecedesse sobre esse trabalho.
Quase que ao mesmo tempo que fiz esse trabalho pra Bruel, eu fui convidado para participar do Mister Nordeste, um evento de beleza, para participar de um concurso, com representantes de toda a Paraíba, e eu, sem ser filho natural do Ingá, fui para o evento representando o município, junto com Jefferson Carlos.
BONY COSTA  PARTICIPANTE DO MISTER PARAÍBA
Quando eu fui para o Pernambuco, eu já tinha 17 anos. E, novamente lá, assim como no Ingá, eu não conhecia ninguém.
Quando eu cheguei em Santa Cruz do Capibaribe, o emprego que me aguardava lá era uma vaga em um de recepcionista em um salão de beleza. E no primeiro momento eu achei aquilo tudo muito estranho... Depois de 2 meses eu fui promovido a administrador do salão, porque eu consegui em pouco tempo reduzir os gastos da empresa.
Eu lembro que determinado dia, o Evangelista Teixeira chegou para mim e disse: “Cara você era pra mexer com cabelo! ” Eu de imediato não aceitei. Ele disse se caso eu aceitasse eu iria estudar e que não pagaria nada pelos cursos, enfim...
EVANGELISTA TEIXEIRA, ANTIGO CHEFE DE BONY COSTA
A partir desse momento o meu tempo era dividido em administrar os 3 salões de Evangelista Teixeira e estudar corte e designer de cabelo. Mesmo estudando cabelo eu tinha dúvida se realmente queria ingressar nessa profissão. Mas depois de muito tempo eu fui tomando gosto e comecei a gostar de trabalhar com cabelo.
Os 10 meses que passei em Santa Cruz, eu vivi 12 horas por dia estudando cabelo. Eu lembro que durante esse período que morei em Santa Cruz, me recordo muito de uma promessa que havia feito pra mim mesmo que era que quando eu completasse 18 anos iria trabalhar pra mim mesmo, nem que fosse vendendo balas na rua. E quando eu percebi que já tinha 17 anos e faltava apenas 5 meses pra completar 18 anos, eu me dediquei o resto do tempo me estudando e me aperfeiçoando.
Passei por muito aperto!
Nesse período que eu morei em Santa Cruz do Capibaribe trabalhando no salão de beleza, eu fazia também uns bicos modelando, e isso me ajudou muito, porque quando eu desfilava, as roupas que eu usava ficava pra mim, daí eu não precisava comprar roupas, e isso, financeiramente me ajudava.
No início eu cortei muito cabelo de graça para aprender, e quando eu estava no trabalho ficava sempre do lado de Evangelista observando o seu trabalho para aprender, ou melhor, descobrir os macetes do corte de cada cabelo. O que Evangelista tinha aprendido em 25 anos, eu queria aprende r em 10 meses. Então eu me dediquei ao máximo pra conseguir isso.
Quando chegou o dia 19 de outubro, que faltava apenas 4 dias pro meu aniversário, eu pedi demissão. Isso pra ele foi a mesma coisa que perder um filho, porque a gente já era muito próximo... Ela não sabia o motivo pelo qual eu estava pedindo demissão, mas depois dessa entrevista, acho que ele vai saber o motivo de eu ter ido embora. Eu tinha um objetivo.
No dia 24 de outubro, eu já estava no Ingá. A partir daí comecei a meditar o que fazer para conseguir clientes numa cidade que ainda me via como um estranho. Daí busquei a Internet como aliada, coisa que todos hoje vivem grudados. Tanto é que nunca coloquei carro de som para divulgar meu trabalho.
O meu primeiro cliente foi Jefferson Carlos! O engraçado que os meus primeiros clientes eram meio que cobaias e eles ainda me pagavam por isso.
JEFFERSON CARLOS, PRIMEIRO CLIENTE DE BONY COSTA

O Ingaense: Nesse momento você já havia montado o seu salão?
Bony Costa: Não.  Quando eu cheguei aqui no Ingá, eu tinha R$ 200,00 no bolso e 3 tesouras. Eu não tinha uma máquina de cortar, eu não tinha nem sequer uma navalha. Eu não tinha nada. Daí eu peguei a cadeira de minha mãe emprestada, peguei um espelho de parede e encostei em um Puff. Peguei também emprestada a capa de cortar cabelo de minha mãe e comecei a cortar cabelo com uma máquina de R$ 30,00 da marca ANOVOX, que geralmente o pessoal usa para raspar pernas. Daí comecei a cortar cabelo por R$ 10,00, e quando eu consegui o meu primeiro dinheiro (peguei um cartão emprestado) comprei uma cadeira, uma máquina e comecei a montar o meu negócio.  
Comecei a tirar foto dos meus clientes e passei a publicar no meu face, no instagram... e nisso o pessoal foi conhecendo. Eu chegava na rua e divulgava também com os amigos.






ALGUNS CLIENTES DE BONY COSTA. FOTO: FACE
Eu sou formado em cabelo masculino e feminino, só que eu percebi que aqui no Ingá e região, havia uma carência muito grande voltada para a área de cabelo masculino. Isso, porque os melhores cabeleireiros de Ingá cortam cabelos de homem e de mulher. Querendo ou não, nesse caso, a maior atenção é dada as mulheres. Eu então vi nessa situação uma oportunidade de fazer diferente. Então montei o meu projeto de atendimento exclusivamente voltado para o público masculino. Coloquei como prioridade nessa proposta, o bem-estar e o conforto da clientela.
Com o passar do tempo, o movimento aumentou tanto que eu tive que me separar da minha mãe e montar um espaço só pra mim.
Já na minha Barbearia, passei a montar estratégia para melhor atender o cliente. Eu cortava, lavava e escovava o cabelo dos clientes, aquilo já era um ponto a mais pra mim porque eu era o único a fazer isso aqui. Então por eu fazer isso, por deixar o cliente pronto pra sair da Barbearia e ir direto pra qualquer evento, isso fez com que tanto o meu como o tempo do cliente fosse poupado.
Hoje para o maior conforto do cliente, na Barbearia Bony Costa disponibilizamos de Wifi, água, café, balas... além de um Bar onde disponibilizamos cervejas de diversas marcas a preços excelente para aqueles clientes que preferem esperar sua vez saboreando uma boa cerveja.

                                      AGENDE JÁ O SEU HORÁRIO PELO CELULAR: 83 - 9343 - 1361



8 comentários:

  1. Esse é o blog que nos estamos precisando aqui em INGÁ, parabéns

    ResponderExcluir
  2. Amei. Parabéns Boni, tenho orgulho de ter sido sua professora. Sucesso

    ResponderExcluir
  3. Prezado BONY, primeiramente meus parabéns pelo esforço e dedicação, sua história é suopriemdente.
    Você tem espírito de empreendedorismo desde pequeno,notasse facilmente! Hahahahaha.
    Te desejo muito sucesso em seu negócio, é que você cresça com bastante vigor e determinação.
    É um conselho, não desistam de estudar busque sempre oportunidade de negócios no mercado
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Que história em...
    A pouco tempo que lhe conheço lhe acho muito legal e você merece parabéns :* :D

    ResponderExcluir
  5. Que história em...
    A pouco tempo que lhe conheço lhe acho muito legal e você merece parabéns :* :D

    ResponderExcluir
  6. Parabéns gostei de le a biografia desse campeão.

    ResponderExcluir
  7. parabens menino, que Deus te abençoe, historia bonita de suoeração, conheço vc desde q nasceu e vendo seu talento eu so posso dizer que DEUS É BOM e todos os planos que tem pra vc irá acontecer. Parabens sucesso, faça isso mesmo avance.

    ResponderExcluir