terça-feira, 28 de março de 2017

CHÃ DOS PEREIRAS! HISTÓRIA, TRADIÇÃO E CULTURA


A implantação da República em 1889 trouxe várias mudanças na vida política do País. Mas elas pouco modificaram as condições de vida da população. Grande parte das pessoas continuaram na pobreza, especialmente no Sertão do Nordeste, onde a fome e a miséria eram agravadas por secas periódicas. A população do sertão enfrentava o desemprego, a fome, a paralisação da economia e o abandono da região.

            Foi nesse período, marcado pela pobreza que um grupo de sertanejo, vindos da cidade de Santa Luzia, chegaram às terras que se situa hoje é Chã dos Pereiras.
            Seduzidos pelo brilho do ouro branco (algodão) os retirantes pertencentes as famílias Damásio, Pereira e Beco, escolheram o município de Ingá por este representar futuro, um pouco menos sofrido.

A PRIMEIRA DA DIREITA PARA A ESQUERDA, DONA TONHA REPRESENTANDO O INGÁ ENTRE OS MELHORES DO ESTADO NO ARTESANATO

            É nesse contexto de sofrimento, de despedida, abandono e esperança que surgiu o povoado de Chã dos Pereiras em 1877 com a chegada das primeiras famílias. Mas por que Chã dos Pereiras?  O nome do povoado Chã dos Pereiras vem do fato de que na localidade a maioria dos habitantes tem o sobrenome Pereira, daí o nome da comunidade, Chã dos Pereiras
         
                                                       Localização geográfica

            Chã dos Pereiras está localizada na zona norte do município de Ingá. Limita-se ao norte com o Distrito de Pontina e Município de Juarez Távora, ao sul e leste com o município de Ingá, a Oeste com o município de Riachão do Bacamarte.

MAPA DE CHÃ DOS PEREIRAS. FONTE IBGE





Vegetação e agricultura

            A vegetação típica é a caatinga. A agricultura já foi bem desenvolvida, houve o cultivo do sisal, grande fonte de renda em período sazonal. O cultivo do sisal foi desvalorizando por falta de mercado, pois outros países não compravam mais os produtos exportados.
            A EMATER-PB, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba foi de muita importância no final dos anos 70 e início de 80, com assistência técnica, cursos de aperfeiçoamento doméstico, sanitário e profissional, hoje quase não atua.
            O algodão foi um dos produtos agrícolas mais desenvolvido, hoje quase extinto por causa do bicudo. Atualmente se planta milho, feijão e fava.

ECONOMIA

            O principal fator econômico do Distrito ainda é a agricultura, antes mais diversificada com a produção de mandioca (matéria-prima para a farinha de roça) e o algodão que era exportado para diversas cidades. O labirinto é uma das fontes de renda produzida pelas mulheres; que é comercializada dentro da própria comunidade, em feiras estaduais e até em bazares de outros países. O comércio varejista é bastante extenso. Há aproximadamente dez casas que comercializam produtos alimentícios, três bares, quatro comércios de roupas, uma farmácia, três padarias, uma fábrica de doces, produção artesanal de bolos para casamento, aniversário etc., as sextas-feiras, no final do dia acontece uma feira livre.

URBANIZAÇÃO

            A formação das ruas surgiu a partir de meados dos anos 60. Foi instalada uma pequena usina hidrelétrica a gás, iluminando as residências de 18h às 22h, no período aproximadamente de 12 anos. Em outubro de 1979 foi instalada a energia elétrica na gestão do saudoso governador Tarcísio de Miranda Burity. Em 1990 veio o abastecimento d’água através do prefeito Antônio Burity.
FOTO AÉREA DA ÁREA URBANA DE CHÃ DOS PEREIRAS. FOTO : RUI BARBOSA

            A pavimentação das ruas teve início em 1986 e hoje 90% das ruas estão pavimentadas. O Centro Cultural foi construído em 1986 e a praça em 1995 denominada José Claudino da Silva. Em 1978 foi construído o cemitério para atender as necessidades da população, pois os sepultamentos eram feito em outras localidades distantes.

ORGANIZAÇÃO SOCIAL

            A Associação das labirinteiras surgiu com a organização de 12 mulheres que sempre sonhavam com o trabalho comunitário, onde todas pudessem viver trabalhando juntas. Formaram um grupo que aos sábados se reuniram para discutir como conseguir recursos para dar início ao trabalho. Com a ajuda do presidente do Sindicado Rural de Ingá, que sempre visitava a Chã, fazendo um trabalho com os agricultores, e aconselhou as labirinteiras a fazer projeto para a Cárita Diocesana. Elas fizeram o Projeto e de imediato receberam recursos para comprar a matéria-prima e com a ajuda de uma religiosa conseguiram vender os primeiros trabalhos para São Paulo, onde foi bem-sucedido. Meses depois receberam ajuda da LBA (Legião Brasileira de Assistência). Foi aumentando o número de participante, foi quando surgiu o PAPP (Programa de Apoio ao Pequeno Produtor). A entidade ajudou a organizar a associação, tiveram também ajuda do Prefeito Antônio Burity que organizou toda documentação.

ASSOCIAÇÃO DAS LABIRINTEIRAS DE CHÃ DOS PEREIRAS. FOTO: RUI BARBOSA
            A associação tem representação em feiras em quase todos Estados do Brasil, atualmente recebe grande apoio do SEBRAE e da secretaria de Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba.

EDUCAÇÃO

            De acordo com depoimentos dos habitantes mais antigos, a educação teve início por volta de 1930. Os primeiros professores foram: Maria Francisca, Nilson Dantas, Israel Fernandes, Terezinha, Dona Dinha e Irene Fernandes. No início a educação era ministrada em casa. Em 1948 foi construída a primeira escola pelo Governo Federal em convênio com o Governo do Estado.
            Em 1952 veio da cidade de Ingá uma professora trazida por João Dionísio de Mendonça (Joca de Mila) que veio para dar continuidade ao ensino em Chã dos Pereiras, que funcionava de 1a a 3a série, em 1983 implantou-se a 4a série.
VISITA DO EX-PREFEITO DO INGÁ (ZÉ GRANDE), A CHÁ DOS PEREIRAS NA DÉCADA DE 1970.

            Em 1978, por iniciativa do Prefeito José Claudino da Silva, ao alunos puderam dar continuidade aos estudos, se deslocando à cidade de Ingá para cursar o tão sonhado ginásio (5a à 8a série).
EX-PREFEITO DO INGÁ, JOSÉ CLAUDINO DA SILVA (1977/1981)
            Em 1987, foi construída uma segunda escola moderna com duas salas de aulas, atendendo melhor o aumento do número de alunos na gestão do Prefeito Paulo Cândido.
EX-PREFEITO DO INGÁ PAULO CÂNDIDO DA SILVA (1983/1988)


            O prédio antigo que pertencia ao Estado foi demolido e construída a Associação das Artesãs.
            Em 1997 na gestão do Prefeito Dr. Renaldo foi ampliada mais uma sala de aula ficando com três salas de aulas.
EX-PREFEITO DO INGÁ RENALDO ROMERO RANGEL (1997/2000)

            Em 2001 na gestão do Prefeito Antonio de Miranda Burity houve um avanço importante, foi ampliada com mais três salas, hoje a escola tem 6 salas no mesmo ano implantou-se a extensão de 5a a 8a séries. Em 2005 a 1a série do Ensino Médio e em 2006 a série.
EX-PREFEITO DO INGÁ ANTONIO DE MIRANDA BURITY ( 1989/1992 - 2001/2004 - 2005/2008)

            Atualmente, funciona os dois turnos: manhã e tarde, sendo a noite frequentada por alunos do EJA.
            A educação que pretendemos oferecer para o século XXI, ou seja, o novo milênio que se inicia, está organizada em torno de quatro aprendizagens fundamentais, considerados os pilares do conhecimento: aprender, conhecer, isto é, instrumentalizar-se para a compreensão da vida; aprender a fazer, intervir na realidade; aprender a viver juntos, ou seja, participar e cooperar nas atividades humanas, e finalmente, aprender a ser, saber agir nas diferentes circunstâncias da vida; usando o senso crítico e criativo para enfrentar os desafios do mundo globalizado, com as exigências do novo mercado de trabalho e das modernas tecnologias.
            Podemos oferecer tudo isso, graças ao Prefeito Burity que acreditou na Educação de Chã dos Pereiras e que mostrou interesse na mudança, mudança essa que nos fortalece e prepara para vida futuro com dignidade e igualdade.
            A educação ainda conta com a creche construída em 1993, que atende 40 crianças carentes.
           
SAÚDE

            A saúde é assistida pela Prefeitura Municipal de Ingá através do Programa Saúde da Família (PSF), atendendo a comunidade semanalmente como também é feito o atendimento odontológico.

CULTURA, ESPORTE E LAZER

            As atividades culturais em Chã dos Pereiras, são bastantes limitadas. Resumindo-se em algumas festas tradicionais como: carnaval, mês de maio, festas juninas, festa da primavera, festa da padroeira, Natal e Ano Novo.  
            Existe ainda duas agremiações esportivas denominadas: “Grêmio Futebol Clube” e “Associação Esportiva Flamengo”. As partidas de futebol sempre acontecem no campo de pelada situado por trás das casas existentes no início da comunidade como também na quadra esportiva, situada por trás da escola.

RELIGIÃO

            A religião é composta por dois seguimentos: Católico e Protestantes, sendo predominante a Religião Católica. A Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro localizada no centro é bastante freqüentada pelos jovens que animam e as pessoas mais velhas.
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO PERPETUO SOCORRO DE CHÃ DOS PEREIRAS

Todo domingo acontece a celebração da comunidade e novenário para os santos da igreja. As missas acontecem uma vez por mês, celebrada pelo vigário de Serra Redonda.
            A Igreja Evangélica local, foi fundada em 25 de janeiro de 1975, com a denominação Tabernáculo de Jesus Cristo. Os cultos evangélicos acontecem às terças, quintas, sábados e domingos.

            A população de Chã dos Pereiras é constituída pelos habitantes dos sítios: Cuités, Chã II, Chã de Baixo, Mundo Novo, Lagoa dos Cordeiros, Cutias I e Cutias II, além da própria Chã dos Pereiras (área distrital).
            

Nenhum comentário:

Postar um comentário