segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

A INCRÍVEL HISTÓRIA DA IGREJA DE SANTANA DO BACAMARTE E O FANTASMA QUE MORA NO CORO!!!

Quem nunca ao passar no trecho da BR 230, que liga o município do Ingá a cidade de Riachão do Bacamarte (dentro de um carro ou em cima de uma moto), nunca olhou para o seu lado esquerdo (no sentido Ingá/Riachão do Bacamarte) para admirar uma pequena cidadela construída em uma elevação que não chega a ser um morro, onde se encontram: uma Igrejinha, um cemitério e poucas casinhas coloridas, onde os moradores encontram na pracinha em  frente à igreja uma maneira de passar o tempo: seja conversando, jogando dominó ou por simples prazer em olhar os carros rasgarem a BR cima a baixo?

Vista frontal da Igreja De Santana

O que ninguém imagina é que aquela igrejinha é testemunha viva de toda a história que precede a formação política tanto do Riachão do Bacamarte, como da cidade do Ingá.
Construída nas últimas décadas do século XVIII (em 1780) pelos holandeses, a fundação da Igreja de Santana do Bacamarte, antecede a própria fundação da antiga vila do Ingá. Visto que este, só vai aparecer como vila na história, na primeira metade do século XIX, a partir de 03 de novembro de 1840.
Por ser mais antigo, e por consequência anteceder a própria criação da Vila do Imperador, o povoado de Bacamarte, serviu, e serve ainda hoje (tento ao município do Ingá, como a cidade de Riachão do Bacamarte), como um sobrenome. Daí a expressão: “Vou ao Ingá do Bacamarte!”, “Nasci no Ingá do Bacamarte!”
As evidências que nos levam a crer que o município do Ingá começou naquele povoado, são muito fortes... E, essas evidências nos guiam a outras questões, entre as quais nos direcionam a necessidade de preservação daquele patrimônio bi Municipal.

Vista Parcial do interior da igreja

Lá! No interior da igreja de Santana do Bacamarte, foram sepultados ricos fazendeiros, sacerdotes cristãos... pessoas pertencentes a alta estirpe da sociedade local daqueles anos. A prova disso, é que ainda hoje, se encontram no interior do templo cerca de 35 sepulturas guardando os corpos daqueles que dominaram com o poder temporal e em nome de Deus toda uma sociedade.

Túmulos que formam o piso da igreja
Dona Edilza

Nós do blog   O Ingaense, em conversa com a cuidadora da Igreja de Santana do Bacamarte, a Senhora Edilza de 55 anos, tomamos conhecimento de alguns “fatos” que transcendem o real e o material.





Vista panorâmica do interior da igreja
Além de nos informar sobre os cuidados de preservação que foram tomados com o templo nos últimos anos, Dona Edilza nos fala sobre um misterioso inquilino que habita o coro da igreja.
Quando manifestei o desejo de subir ao coro para fotografar a vila de cima, Dona Edilza disse toda preocupada: “ Cuidado professor! Ai em cima morra um fantasminha.... Quem sobe aí com o cabelo amarrado, ele desprende! Várias vezes, quando subir para limpar aí em cima, ele passou as mãos nas minhas pernas! ”
Confesso que ao escutar isso eu gelei, e levei muito a sério a hipótese de soltar o cabelo e de desistir da empreitada. No entanto prossegui!.

Subindo no coro
Vista da Vila do Bacamarte
do coro da igreja

No coro da Igreja de Santana do Bacamarte, fiz as fotos que pretendia fazer. Vi a bela visão que o coro oferece da nave da igreja...
Verdade! Desci com o cabelo preso... mas totalmente amedrontado por haver sentido mãos acariciarem as minhas pernas...
Quem duvida! Então eu, os desafio a visitarem a Igreja de Santana do Bacamarte!
Linda por fora, e restaurada por dentro, a Igreja de Santana do Bacamarte é uma das pérolas que precisamos preservar como parte de nossa história (tanto o Riachão como do Ingá).





Hoje, o povoado de Bacamarte, geograficamente, pertence ao Município de Riachão. Porém mesmo assim, não é menos Ingá, ou mais Riachão. Afinal! Até pouco tempo atrás éramos apenas um!
Respeitar o patrimônio, é também respeitar a nossa própria memória! Afinal um povo que não tem memória é um povo sem passado, sem presente... com um futuro incerto! E sem história!.

12 comentários:

  1. Cada vez mais me torno fã,parabéns mais uma vez .

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo seu belo e importante trabalho.👏👏

    ResponderExcluir
  3. Muito bem contada a história da igreja parabéns ótimo trabalho

    ResponderExcluir
  4. Que história fantástica amigo Alexandre. Quero conhecer esta capela, vejo-a pela BR-230 e sempre quis conhece-la de perto.

    ResponderExcluir
  5. 🍃🌺🍃Amei a matéria! Parabéns ao autor e obrigada por resgatar historias da nossa terra... Nessa igreja foi onde rezei muitas novenas no mês de maio, assisti muitas missas e batizei alguns dos meus afilhados na minha infância e adolescência. Senhora Santana para sempre
    amém.🍃🌺🍃

    ResponderExcluir
  6. Parabéns lindo trabalho,pq os professores do município não usam a igreja de Santana como tema de um trabalho às crianças vão aprender sobre a história dá sua cidade e de uma certa forma de sua própria história.

    ResponderExcluir
  7. Só esqueceram do principal: A imagem de Sant'Ana... Barroca do século XVII...

    ResponderExcluir
  8. Em breve, farei uma visita a Igreja de Santana do Bacamarte e consequentemente, ao seu inquilino primordial! 😀

    ResponderExcluir
  9. Hoje Bacamarte é uma vila, segundo o censo do IBGE. Faz parte da zona urbana da cidade de Riachão do Bacamarte.

    ResponderExcluir
  10. Obtive essa informação quando fiz parte da comissão censetária de Riachão do Bacamarte.

    ResponderExcluir
  11. Maravilha suas incursões por nossa história professor Alexandre. Fiquei curioso em saber o que aconteceria com quem é careca ao subir ao Coro da Igreja de Bacamarte... kkkk Parabéns pelo blog, sensacional

    ResponderExcluir