terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A BELEZA DO PASSADO PRESENTE NO SOBRADO DOS NOGUEIRA

Foto de João Nogueira de 1956, antigo proprietário do sobrado de Gameleira, Mogeiro-PB. 

Raríssimas as vezes passei por ele e não parei para fazer uma foto!!.
Situado entre os municípios de Ingá-PB e a cidade de Mogeiro-PB, em uma localidade denominada de GAMELEIRA, o sobrado quase centenário dos NOGUEIRA, atrai, encanta e aguça a imaginação do transeunte que passa diante daquilo que no passado simbolizou o glamour, o poder e a “decência” de quem tinha terras e plantava algodão. 
 Construído na primeira metade do século XX, no ano de 1935, o sobrado dos Nogueira ostenta em sua faixada, estilos arquitetônicos diversos tais como: arte Decor, arte Nouveau, estilo colonial e neoclássica, em um padrão que só os ricos poderiam construir. Pois para quem gostava de mostrar distinção e poder, a faixada da casa onde se morada, simbolizava o diferencial de quem era importante em contraposição a quem não tinha “eira nem beira”.
Aquilo que representou poder e glamour para os seus donos no passado, hoje representa preocupação em preservá-lo. De acordo com o senhor Lauro Nogueira o Sobrado de Gameleira foi construído por um tio avô, por parte de pai.
Ainda segundo o seu Lauro Nogueira, o sobrado nunca saiu do poder de sua família. Logo após a morte de seu tio avô, o seu pai, o senhor João Nogueira adquiriu a posse do prédio, deixando como herança para seus filhos depois de sua morte.
O Senhor Lauro Nogueira, único morador do sobrado mostra preocupação em preservar a sua estrutura, pois segundo ele suas condições financeiras são limitadas, e isso impede que ele invista mais na preservação e conservação do prédio. Mesmo com os problemas de conservação vistos a olho nu, o sobrado dos Nogueira em Gameleira, ainda conserva muito daquilo que foi no passado. A faixada por exemplo, ainda está intacta, e conserva todos os detalhes originais de quando foi criada no ano de 1935.

Foto do sr. Lauro Nogueira, filho de João Nogueira

A parte superior do sobrado, ainda mantem o assoalho original de madeira, apesar de haver uma ou duas substituições de tabuas do piso.
A escada, que leva a parte alta do sobrado também é originaria da época em que o prédio foi erguido.
Além da beleza e das histórias que o sobrado guarda, ele pode nos proporcionar algo de mais grandioso, que é a sensibilidade em lidar e preservar o patrimônio e a sobrevivência do passado como algo motivador de abertura para caminhos no futuro.
Quando nós do Blog O Ingaense, perguntamos ao senhor Lauro se seria do interesse dele que o sobrado fosse aberto ao público em forma de museu ou memorial, ele responde que não, pois existem outros herdeiros. No entanto ele deixa claro que se alguém quiser comprar o sobrado, ele se encontra a venda
            Umas das alternativas para salvar e conservar a estrutura do sobrado de forma sustentável e rentável tanto para quem visita, como para quem mora nele, é transformá-lo em restaurante ou casa museu. Deste modo, o dinheiro ganho com as visitas ou com os clientes, serviriam para ajudar a manter e preservar aquilo que até hoje, nem o tempo conseguiu apagar por completo: O passado materializado em forma de construção!.













Fotos: Blog o Ingaense

3 comentários: